domingo, 31 de outubro de 2010

Palavra de confreira

Encontro de confreiras que começou no sábado e foi terminado na madrugada de Domingo (quase um kerb). Praticamente um workshop, mais diria um MBA em "modus vivendi di femme fatale".

Espumante em uma mão e discurso na outra. Deu-se a confraria de mulheres falantes de assuntos multifacetados. Na pauta, como sempre, os homens, as letras, a lei, a educação combalida, a ausência de perspectivas, o produto das universidades. No segundo tempo a corrupção, as armadilhas da vida social, o AMOR, o sexo( ou a falta dele) , as bombinhas de queijo, os cachorrinhos quentes da Antoninha. No terceiro tempo, cabelos, cabeleireiros , faça você mesmo, casamento, escolhas , talento , mulheres . Ainda no terceiro tempo pais e filhos, as diferenças entre irmãos e as ironias. Onde vamos parar?

O envelhecimento feminino e a perda da libido. Os tabus derrubados por esta geração de meninas que mais parecem retroescavadeiras sexuais. Na pauta ainda o casamento dos outros, a hipocrisia e afins, a importância do cinismo para sobrevivência de uma relação amorosa. O império das piriguetes, a importância das mocréias para o tempêro de nossas discussões.

No aparte ainda rolou o quinto constitucional e a indicação de perfeitos idiotas aos tribunais. A entrevista da Ministra Eliana Calmon ( Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça). Mazelas e equívocos. A faculdade de direito de Bigrivertown, salário de professor, concursos públicos, academia e seu fundamental papel na perpetuação do corpítio. Os quarenta e o maldito metabolismo. Obras e casa, trabalho e esforço. Obstinação e disciplina como ingredientes para uma vida equilibrada. Puxada de tapete ?(pode). A fauna exótica e canibalistica da academia de ginástica. A modesta boniteza da Pam. A microsaia da anfitriã. A visita relâmpago de LF à paisana e o ministério da sedução. Homens mais e homens menos. Meu marido é um rato branco . Contorcionismo no sofá. Terapia brevíssima da gargalhada.

Momento exótico: a história do canibal de 200 quilos adornado com longa cabeleira e que pinta as unhas de bege. Ele prefere amaciar a pele com hidratantes na forma de mousses. Será que ele ainda é?

A última pauta foi abordada na porta e junto ao hall para marcar a próxima assembléia mini-curso. A Pam se superou na sobremesa novamente. Fui obrigada a repetir.

Somos obrigadas a repetir sempre.

Afora as brincadeiras registre-se e publique-se que não sou dada a preconceitos, mas adoro caricaturas, inclusive a minha.


beijo lindo

da Lind@

confreira

Um comentário:

Mai disse...

Interessante!

E sempre serão muitos os assuntos e as experiêcias a serem partilhadas...


abraços